Navegue in vitro

junho 20, 2010

Aquele sorriso forçado, fantoches sorridentes

Mais uma foto belíssima, uma entre várias fotos temáticas que compõe o álbum da minha família. “Um feliz Natal e um próspero Ano Novo são nossos sinceros desejos.” Inusitado pensar estes votos associados à imagem. Companheiros inseparáveis de fotos memoráveis posamos em 1990, eu com três anos e meu irmão com quatro anos, não fazíamos ideia dos múltiplos significados dessa foto e de quantas viriam depois. Sempre percebi na escola a preocupação de acompanhar as datas comemorativas do calendário nacional e mundial. Seguindo algumas comemorações tínhamos a presença do fotógrafo, uma figura recorrente, registrando os imprevistos e previstos momentos da vida dos alunos. Como podemos perceber eu sou anterior as Câmeras Digitais, não tínhamos 200 fotos ao final de cada festa, na minha época os familiares para garantirem a concretização da foto ideal e economizarem filmes, contavam com o fotógrafo, caso houvesse algum ou dinheiro para tal. Enquadramento, iluminação, técnica, usando poucos filmes em mínimos flashs, após a revelação surgem às fotos que faziam sorrir amigos e familiares, esse era o papel do fotógrafo. Contrariando a ideia de Alves o cotidiano não era uma caixa preta, estimulando a imaginação é sim uma bandeja para servir a escola. Sempre repleta de festas que não possuíam conexão alguma com currículo, de caráter obrigatório sem critério para diversidade cultural ou religiosa. Felizes ou tristes, arrumados ou desalinhados, querendo ou não, a produção fazia o que tinha que ser feito, a foto e o glamuor (incluindo, maquiagem em crianças), nessa foto eu de batom vermelho atesto a falta de limite. O currículo defendido por Macedo com espaçotempo de negociação para lidar com as diferenças, não ocorreu, éramos uma massa homogênea, portanto sem necessidade de taís questões.

Aquele sorriso forçado era inevitável, ensaiado, ou apenas exibindo os dentes como faz meu irmão nessa foto, a hora do retrato surgia nos momentos que não estávamos interessados em poses, o recreio, o bate-papo a diversão, as angustias pessoais tinha seu cunho prioritário, mas davam lugar ao teatro fotográfico. Para alguns suponho que fosse divertido, algo esperado, uma felicidade, receberem a foto e exibi-la na turma e entregarem aos seus pais, Sacro Santo Ritual. Fantoche sorridente seguiu durante anos e a última foto que me recordo, eu já estava com 17 anos, era de formatura do ensino médio, na hora e no dia marcado eu não compareci, quando finalmente fui, entrei como montagem na foto com os outros colegas (já na era digital), se eu pudesse teria feito isso à vida inteira, pois o sorriso forçado é idêntico aos das demais fotos e pelo menos não precisei usar batom.

7 comentários :

  1. Eu sei o que você passou, sabe na quela epoca só você tinha noção do saco que era , e não falo daquele do presente do noel.
    Fala tu , acho que estam fotos erema tam inportamtes para os nossos pais , quanto para algumas pessoas fotos de perfil do Orkut ou facebook.BJS

    ResponderExcluir
  2. Toda forma de poder e uma forma de morrer por nada...
    Bjsss vlwww

    ResponderExcluir
  3. Criança linda essa da esquerda.
    Me apresenta?

    Beijooos

    ResponderExcluir
  4. Nossa vc tocou na ferrida virtual, hehhe. Acho q é um fetiche de época cara, não sei. Mais acho tem um impacto maior pq se trata de educar e no caso, diferente de uma rede social e a vida de um ser ainda pequeno q nem pode opinar. Ser criança e aquilo né...

    ResponderExcluir
  5. Fala sério! Criança só se f#$@#%$¨... hehehehe! Na hora da foto nós nem nos importamos!

    Meu pai tem uma foto minha de Papai Noel! Vou escanear também!

    ResponderExcluir
  6. Poxa primeiro obrigada pela sua visita,heheh! Mais era uma droga mesmo, há quem diga que a infância e a melhor fase da vida. Agora coloca sua foto pq eu adoro ver os fofinhos de Papai Noel, para rir da nossa micro tragédia...

    ResponderExcluir
  7. Eric Lacerdadezembro 12, 2010

    Muito bom, pareceu materia de alguma coluna social, parabens adorei mesmo!

    ResponderExcluir